Blog

Entrevista: Igor Seletsky, CEO do CloudLinux

22 Fev 2012 • Leitura 5 min

For the interview in English, visit this link: https://blog.hostdime.com.br/materias/hostdiamonds/interview-igor-seletsky-cloudlinux-ceo/

Introdução

A HostDime Brasil traz uma surpresa no HostDiamonds de fevereiro: A entrevista com Igor Seletsky, CEO e fundador do CloudLinux, uma das melhores distribuições Linux para hosters. Confira a entrevista e sinta-se livre para adicionar o seu comentário!

HostDime: Olá Igor! Antes de qualquer coisa, gostaria de dizer em nome dos leitores do Blog da HostDime Brasil e da DimeNews que é um grande prazer poder entrevistá-lo! Então, por favor, apresente-se aos nossos leitores que ainda não o conhecem e não sabem do seu trabalho no CloudLinux.
Igor: Eu sou o CEO e fundador do CloudLinux, no entanto eu acumulo várias funções. Eu gerencio o desenvolvimento, dou uma ajuda no suporte técnico, além de trabalhar no time comercial e fechar parcerias. Eu particularmente prefiro os momentos em que tenho várias horas livres para programar. Esta ainda é uma das minhas paixões.
HostDime: Igor, fale-nos um pouco mais sobre a sua jornada profissional.
Igor: Eu faço parte da velha-guarda do mercado de hospedagem de sites. Comecei em 1997 com o desenvolvimento de um dos primeiros gerenciadores de arquivos via web. Então, eu fundei a Positive Software Corp. Como parte deste período, eu criei um painel de controle (H-Sphere), um constructor de sites (SiteStudio), um software de virtualização (FreeVPS) e um sistema online de soluções para implantação e recuperação (NocMonkey). Todos os produtos que fizemos eram voltados para o mercado de hospedagem. Eu vendi a companhia para a Comodo em 2005, e então me dediquei 5 anos ao desenvolvimento de soluções em segurança virtual junto à Comodo. Eu também tive a chance de participar do desenvolvimento do Trustix – uma distribuição linux focada na segurança de propriedade da Comodo naquela época. Chegou então o momento em que me senti cansado e decidi por iniciar uma nova companhia.
HostDime: Com esta larga experiência no mercado, o que te motivou a desenvolver o CloudLinux? Quais dificuldades você encontrou no seu dia-a-dia que fizeram com que você focasse no desenvolvimento de uma aplicação para o controle de contas em servidores compartilhados de hospedagem?
Igor: O efeito do “vizinho mau” tem sido o calo do mercado de hospedagem e desde então não havia uma maneira efetiva de controlá-lo. Os fornecedores dos painéis de controle não queriam lidar com este problema – deixando-o para os administradores de servidores e administradores de sistemas. E, do ponto de vista operacional, hospedagem compartilhada não é algo tão habitual. Se você olhar o uso habitual de servidores dedicados/corporativos, normalmente executam-se apenas softwares reconhecidos e aprovados previamente, apenas pessoas autorizadas possuem acesso, etc. Algo que se assemelha bastante a servidores compartilhados são os computadores de laboratórios de universidades – e que não exigem o mesmo nível de estabilidade. Eu decidi resolver o problema. Eu tinha algumas idéias de como lidar com a situação graças ao trabalho que já tinha executado com o FreeVPS. Depois de algumas pesquisas, decidi lançar a minha própria distribuição Linux.

O CloudLinux

HostDime: O CloudLinux torna possível o controle individual de contas através das LVEs. Fale-nos um pouco mais sobre como este controle funciona.
Igor: O termo LVE vem de Lightweight Virtual Environment (Ambiente Virtual Leve) e é um núcleo do CloudLinux. É uma tecnologia a nível de kernel que interage diretamente com o agendador da CPU e controle de memória. A idéia é colocar todos os processos relacionados a um cliente em um LVE dedicado para aquele usuário. Depois, você pode controlar todos os limites em um LVE específico ao invés de fazê-lo por processos. A idéia é que você realmente não se importe com quantos recursos um único processo utiliza. O importante é controlar todos os recursos que serão utilizados por todos os processos de uma única conta.
HostDime: O LVE é realmente muito abrangente! Você poderia listar todas as funções ou opções diferentes para controle dos recursos do servidor?
Igor: Atualmente nós colocamos todos os scripts que são executados via servidor web, agendadores de tarefas (cronjobs) ou shell em um LVE. Para os recursos, nós podemos limitar a quantidade de CPU ou memória a ser utilizada, bem como o número de conexões simultâneas no servidor. Nós também estamos planejando adicionar o controle dos limites de I/O [do HD] e o limite de número de processos.
HostDime: Há rumores de que o uso do CloudLinux para o controle das contas hospedados no servidor requer um maior uso de memória RAM. Isto é um mito ou há realmente verdade nesta afirmação?
Igor: No CL5 o kernel do CloudLinux tem em torno de 100MB a mais do que o kernel padrão do RHEL (Red Hat Enterprise Linux). Ele também usa uma média de ~20kb por cliente para definir os limites de utilização. Então, há alguma verdade nisto, mas a menos que o seu servidor esteja rodando no gargalo dos recursos, você não deverá ver isto. No CloudLinux 6, o nosso kernel tem aproximadamente o mesmo tamanho do kernel do RHEL.

Compatibilidade

HostDime: Entrando no mérito do problema de compatibilidade, quais os painéis de controle possuem total suporte por parte do CloudLinux?
Igor: Nós suportamos primorosamente todos os que são suportados pelo CentOS, como: cPanel, Plesk, ISP Manager, DirectAdmin, InterWorx, Atomia, Kloxo, Confixx, WebMin… e qualquer outro painel que nossos clientes desejarem, podemos implantá-los de forma personalizada – e ainda beneficiarão os demais clientes do CloudLinux.
HostDime: Há planos para adicionar o suporte a outros painéis de controle no futuro?
Igor: Sim, nós planejamos adicionar os painéis que os usuários solicitarem. Em nossa perspectiva, é muito fácil implementá-los.
HostDime: Atualmente, os clientes do CloudLinux podem utilizá-lo em plataformas virtualizadas ou há alguma limitação em sua implantação? No caso de não haver suporte à integração em plataformas específicas, há alguma previsão de suporte do CloudLinux nestes sistemas?
Igor: Nós não suportamos o OpenVZ e o Virtuozzo, ou qualquer outro sistema de virtualização baseado em “recipientes” (container based). Isto ocorre pela necessidade de execução do nosso próprio kernel. A maioria das outras formas de virtualização (Xen, KVM, VMWare, etc.) são suportadas.
HostDime: O CloudLinux suporta perfeitamente o uso de outras tecnologias que complementam a performance dos websites, como o LiteSpeed​​, Nginx, Varnish Cache, e outras?
Igor: Claro. Nós temos consumidores que utilizam todas estas tecnologias.
HostDime: Qual é a sua opinião sobre: Varnish Cache (frontend), Nginx e Apache? Pode ser uma boa pedida?
Igor: Eu usaria o Nginx ou o Varnish, mas não ambos. Ambos são importantes para melhorar drasticamente a função de execução de arquivos estáticos do servidor.

Segurança

HostDime: Recentemente o CageFS foi anunciado para o CloudLinux. Você poderia nos explicar como ele trabalha?
Igor: O CageFS provê que cada usuário tenha o seu próprio sistema de arquivos virtual. Os usuários não podem ver nada além dos seus próprios sistemas e alguns arquivos (como /etc/passwd/) ficam virtualizados, de modo que cada usuário visualiza apenas um subconjunto de informações, apenas arquivos diretamente relacionados a eles. Este é um completo sistema de arquivos funcional, com /proc, GCC e tudo o que você imaginar que seus usuários podem necessitar. No entanto, o usuário sente-se como se fosse o único cliente naquele servidor, Não há um modo de visualizar outros usuários, processos de outros usuários ou acessar binários potencialmente perigosos.
HostDime: Então, com a adoção do CageFS, podemos dizer que aquele antigo problema dos usuários visualizarem contas que não são suas em servidores compartilhados através de scripts maliciosos chegou ao fim?
Igor: Sim, esta é a verdadeira razão por de trás do CageFS. Nós procuramos proporcionar um alto nível de segurança, em que cada cliente pode garantir que seu site não será apagado por um hacker que invadiu outra conta.

Sobre a Empresa

HostDime: Igor, você pode nos dizer, aproximadamente, quantos servidores na web estão rodando o CloudLinux?
Igor: O CloudLinux está sendo utilizado por algo em torno de 7.000 servidores em produção, no entanto este número cresce a cada dia.
HostDime: E quantos funcionários trabalham diariamente para assegurar que o CloudLinux esteja 100% funcional nestes provedores?
Igor: Nós temos uma media de 20 colaboradores na empresa, onde a maioria deles trabalha com o desenvolvimento de códigos ou implementando o kernel.

Perguntas Rápidas; Respostas Imediatas

HostDime: Um servidor web para usar com o CloudLinux?
Igor: LiteSpeed
HostDime: Um banco de dados para usar com o CloudLinux?
Igor: MySQL
HostDime: Um painel de controle para usar com o CloudLinux?
Igor: cPanel

Le Grand Finale

HostDime: Igor, nós chegamos no final da nossa entrevista. Nós gostaríamos de agradecê-lo por fornecer-nos o seu precioso tempo! Eu acredito que a informação contida nesta entrevista é muito importante para auxiliar nossos leitores a entender o poder do CloudLinux. Claro, todos que tiverem dúvidas mais profundas poderão acessar o www.cloudlinux.com para saná-las. Alternativamente, as pessoas podem contatar o seu time de atendimento. Eu gostaria de esclarecer que a HostDime Brasil está preparada para ajudar os leitores com quaisquer questões sobre a operação desta plataforma. Como mensagem final, há algo que você gostaria de compartilhar com os nossos clientes, parceiros ou clientes em potencial do CloudLinux sobre o futuro do produto?
Igor:  A primeira coisa que os novos usuários do CloudLinux vão perceber é… Bem, nada! Quando o CloudLinux é instalado, as coisas funcionam exatamente como funcionavam anteriormente, apenas muito mais seguras! O servidor irá também ficar muito mais estável. Um administrador de sistemas se sentirá em casa. Isto não ocorrerá até que você comece a cavar um pouco mais para que os benefícios do CloudLinux se tornem aparentes. Basicamente, com o LVE ativo, o CloudLinux insere limites razoáveis sobre o uso de recursos.
Por exemplo: O limite que cada conta poderá utilizar da CPU é limitado em 25% por padrão. Quando necessário, estes limites podem ser ajustados em uma base específica por conta, geralmente de acordo com uma interface familiar para o painel de controle. Quando um problema surge, por exemplo, um cliente que faz uso de uma enorme quantidade de recursos do servidor traz à tona o brilho do CloudLinux, ou seja, demonstra a sua potência de uso. Apenas o website que está estrapolando o uso dos recursos irá desacelerar e entregará mensagens de erro para os seus visitantes, enquanto outros sites do mesmo servidor continuarão funcionando plenamente.
Em segundo lugar, é muito mais fácil identificar o usuário que consome muitos recursos, o que não seria tão simples sem o CloudLinux.Isto cria a possibilidade do hoster de vender um serviço adicional para o seu cliente ou recomendá-lo o upgrade para um VPS ou um Servidor Dedicado, ou mesmo cobrar a mensalidade com base no uso de recursos.
Além disso, os profissionais do suporte técnico do CloudLinux estão inclusos na mensalidade do serviço e trabalham 24/7 para ajudar você em qualquer necessidade que você encontre pelo caminho. Com o CloudLinux o seu ambiente compartilhado será muito mais estável, seguro, eficiente e te prevenirá de possíveis dores de cabeça.
Igor Seletsky
CloudLinux CEO

Posts
Relacionados

16 Set 2021 Leitura 6 min

Atualize o Google Chrome para sua maior segurança! Novas falhas, incluindo duas de dia zero, foram encontradas

voltar para o blog

#CONNECTEDHDBR

Receba nossas
novidades

Deixe seu e-mail para receber nossa newsletter
de novidades, descontos e lançamentos.


Siga nossas
Redes Sociais

Estamos
esperando seu
contato

4007 2085

Capitais e Regiões Metropolitanas

0800 000 2085

Demais Regiões

(+1) 407.756.1126

Ligue-nos Internacionalmente

Vendas / Suporte Financeiro

Segunda / Sexta • 8h - 18h

Suporte

24h por dia


PRODUTOS
Servidores DedicadosServer CloudColocationOutros Produtos
© 2021 HostDime Brasil. All rights reserved.
Contrato
Política de Privacidade
Cookies